terça-feira, 3 de maio de 2011

café

a mesa era verde,
de metal.
as chávenas brancas,
lisas.

ela tinha baton vermelho,
quente e doce.

o café amargo e grosso,
forte.

eu disse-lhe que não,
franzi o sobrolho.

ela olhou-me friamente,
o meu café arrefeceu.

virei-me de lado,
abri o ouvido.

ela disse que me amava,
baixinho.

sorri calado,
sózinho.

3 comentários:

  1. tão simples e tão perfeito, gostei muito de ler, escreves muito bem.

    ResponderEliminar
  2. Quando assim nos falam, baixinho, é mais gostoso.

    ResponderEliminar

mensagens anteriores

direitos de autor reservados - em caso de abuso têm direito a ser processados - é bom saber

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

novo contador de visitas - iniciado a 2 de Abril de 2010 - continuem a lêr-me que eu gosto

Seguidores